quarta-feira, 16 de abril de 2008

16/04/2007 - 16/04/2008

Há 81 anos nascia, na Baviera, Joseph Alois Ratzinger, e, não fosse isso suficientemente auspicioso, também há 119, em Londres, Charles Spencer Chaplin Jr., apontando certamente a heterogeneidade congênita deste blog, que se quis tantas coisas, inclusive antro de venenosas, quando seus camaradas eram, muito pelo contrário, miguxas fofuxinhas.

E um balanço seria inevitável, quisesse eu acrescentar aos anteriores mais um gesto burocrático-gregário, que, amontoados, nos levaram até aqui. Somos, de qualquer forma, responsáveis pelos maiores desmazelos da inteligência desde que Xenofonte quis ele mesmo dar sua versão da história à vida de seu mestre Sócrates.

O blogueiro quando jovem.

Talvez se eu o mascarasse, dando-lhe características de normas do estilo, fosse possível validar a idéia de um balanço. Como se, usando de seu direito de discurso, sugerido pelos convidados unicamente para que dele muito cortesmente o aniversariante declinasse, este, ao contrário, começasse uma longa retrospectiva de sua vida, cheia de autocongratulações e trechos correspondentes aos maus bocados que passei. Com todo o mundo só querendo dançar, dançar, dançar.

O mundo só é tão ruim e as pessoas tão bregas, porque a maior parte do tempo – tipo, nos momentos realmente decisivos e tal – ninguém pensa pra fazer as coisas, apesar de alegarem exatamente o contrário por aí, a turma do “não se reprima”, que são justamente aqueles que mais se reprimem, e num sentido ruim. E por isso o cinema nacional, e hoje em dia maldizer o cinema nacional, não porque o cinema nacional já não dê mais motivo para isso, mas porque ficou démodé.

Ser do bem é um problema pra quem escreve, porque pra escrever bem tem que ser mau. E debochar. Debochar de velhinho cego de cadeira de rodas. Mas a gente é do bem. Eu sei, eu sei, quem, escrevendo, parece do mal, só parece, porque escrever é escrever, e ser é ser. Hmm. Só que às vezes, e o às vezes é o mais importante, porque o mais sincero, às vezes eu acho, eu sei que esse pessoal que não gosta de cinema nacional é malvadão mesmo. Mas não o tipo de malvadão que suja as mãos, mas que no máximo coloca o pé pra idoso tropeçar e, ai, que engraçado.

Ser mau.

Ser mau, debochar, não facilitar pro leitor, jamais escrever sob o efeito da novidade, tipo “nossa, que legal isso que eu acabei de descobrir”, sob pena de soar bocó. Mas soa bocó quem é bocó. Quem acha que ser malicioso é necessariamente fazer piada de sacanagem, apesar de que na maioria das vezes é isso mesmo.

Mas “ser mau, debochar, etc” equivale a escrever bem. E bate direitinho com o que eu li esses dias, que tem que ser gay pra escrever bem, mesmo que você não seja. E ser mau nem é ser mau; é mais, segundo a assepsia da moça que é “legal, não estou te dando mole”, ser politicamente incorreto, tirar a máscara e exorcizar o que vai por debaixo da peruca e do pó de arroz.

O leitor, uma alma sensível, é obviamente quem mais sofre, e diz “Ó céus, ignomínia, ignomínia!”, e caí desfalecido sobre o canapé. As menininhas do “ai, credo” também. Por sorte, não é este o caso. Porque a gente é do bem. Tanto que, quando eu penso no blogueiro malvadão que me faz rir, me vem a cara do Marco Maciel na cabeça, enquanto a gente é mais o Kassab abraçando o povo na inauguração do Expresso Tiradentes ou mandando algum descontente pro inferno. Muito coração, coração demais.

Pra ser mau: ser de direita, gay, rico, virginiano, morar em Porto Alegre e não, definitivamente não querer um mundo melhor. Ah, e trabalhar na Globo.

2 comentários:

  1. Adooooro.
    PS: meus comentários estão cada vez mais próximos da categoria "tipo assim, meu"

    ResponderExcluir